Dança de Salão: Motivos dos que procuram esta atividade

Fonte da informação:

http://www.efdeportes.com/efd88/danca.htm

Dança de Salão: Motivos dos
indivíduos que procuram esta atividade

Salon Dance: Reasons of the individuals that look for this activity

Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Centro de Educação Física e Desportos – CEFID
Departamento de Ginástica, Recreação e Rítmica

Ricardo D’Aquino*
Adriana Coutinho de Azevedo Guimarães**
Joseani Paulini Neves Simas**

*Bacharel em Educação Física CEFID/UDESC
**Professora Mestre do Departamento de Ginástica,
Recreação e Rítmica do CEFID/UDESC

Resumo
Nos últimos tempos, a dança de salão vem tomando um lugar de destaque como uma atividade física que proporciona bem-estar e melhoria na qualidade de vida aos praticantes de diversas faixas etárias. Desta forma, o estudo teve a finalidade de identificar e analisar os motivos pelo qual os indivíduos procuram a dança de salão como forma de atividade, assim como relacioná-lo aos fatores que mais especificamente o influenciam. Participaram da pesquisa de campo descritiva exploratória 32 praticantes de dança de salão de ambos os sexos. Utilizou-se como instrumento de medida um questionário auto-aplicável com vinte perguntas mistas. Analisando os resultados, observou-se que os praticantes desta modalidade são na sua maioria mulheres entre 15 e 30 anos, geralmente com ocupação profissional, que começaram a praticar a dança de salão por convite de amigos ou parentes e, que buscam este prática como uma forma de atividade prazerosa que fará com que alcancem seus objetivos. A pesquisa apontou ainda que a mudança mais significativa a partir da prática da dança de salão, foi a melhoria do relacionamento inter-pessoal e que na opinião dos pesquisados, a atividade é praticada em ambiente excelente e que o prazer torna-se uma sensação sempre presente no decorrer da atividade. Ao considerar os resultados, pode-se concluir que os praticantes de dança de salão são indivíduos que procuram uma forma prazerosa de atividade física e pretendem com ela ampliar seu grupo social.
Unitermos: Dança. Dança de Salão. Motivação

Abstract
In the last years, the salon dance is taking a prominence place as a physical activity that provides to well-being and improvement in the quality of life to the practitioners of diverses age groups. So, this study had the purpose of to identify and to analyze the reasons why individuals look for salon dance as phyisical activity, as well as relating them with the factors that more specifically influence them. Had participated of the descriptive exploration field research 32 practitioners of salon dance of both sex. An self-applicable questionnaire with twenty mixing questions was used as measure instrument. Analyzing the results, it was observed that the practitioners of this modality are in its majority women between 15 and 30 years, generally with professional occupation, that had started to practise the salon dance for invitation of friends or relatives and, they look for this practical show up that the most significant change from the practical of the salon dance, was the improvement of the interpersonal relationship and that in the opinion of the interviewees, the activity is practised in excellent environment and that the pleasure becomes a always present sensation in elapsing of the activity. When considering the results, can be concluded that the practitioners of salon dance are individuals that look fot a pleasant form of physical activity and intend with it to extend their social group.
Keywords: Dance. Salon Dance. Motivation

http://www.efdeportes.com/ Revista Digital – Buenos Aires – Año 10 – N° 88 – Setiembre de 2005

Introdução

Desde o aparecimento da humanidade a dança tem sido utilizada para vários fins, servindo como elemento de comunicação e afirmação, e dando-lhe possibilidade de viver plenamente, através de seu próprio corpo, os símbolos de seu inconsciente, liberando diretamente suas emoções reprimidas por tabus culturais.

Neste início, a dança era utilizada pelas culturas primitivas nos momentos importantes de sua vida, nascimento, procriação, morte, para evocar ou propiciar os fatores importantes à sua sobrevivência, como o sol, chuva, plantio, colheita, caça e pesca, e para manifestar sua luta pela vida, seu amor, sua alegria e seu desamparo, suas vitórias, na guerra e na paz, suas súplicas e seus agradecimentos. Estes eram os fatores que motivavam o homem primitivo a praticar a dança (3).

A dança de salão está presente no Brasil antes da vinda da família real, mas foi após a vinda da família real para o Brasil, que ela se intensificou profundamente pois trouxe toda a “cultura” da corte para o Brasil (16). Com a vinda da corte para o Rio de Janeiro, muitos hábitos europeus, como as danças e os bailes, foram trazidos de forma ainda mais forte, pois a música e a dança eram as manifestações de lazer preferidas pela corte e pela sociedade letrada. A partir de então qualquer evento era motivo para um baile, tais como casamentos, formaturas, aniversários, etc.

Com relação aos benefícios, a dança de salão pode nos proporcionar um conhecimento mais profundo de nossos corpos: seus limites, a beleza de seus movimentos, a alegria da expressão corporal (7). Mas além disto (6), ela trabalha a coordenação motora, agilidade, ritmo e percepção espacial, desenvolve a musculatura corporal de forma integrada e natural, permite uma melhora na auto-estima e quebra de diversos bloqueios psicológicos, possibilita convívio e aumento do rol de relações sociais, torna-se uma opção de lazer e promove inclusive melhora de doenças e outros problemas.

Desta forma, a dança desde seu início vem sendo modificada, codificada, e estilizada, com a introdução de passos e ritmos bem definidos e cada vez mais complexos. Considerando os aspectos abordados, este estudo tem a finalidade de investigar os motivos que levam os praticantes de dança de salão a procurar esta prática nas academias de dança da cidade de Florianópolis.


Materiais e métodos

Com a finalidade de investigar os motivos que levam os praticantes de dança de salão a procurar esta prática, este estudo caracterizou-se como sendo de campo, do tipo descritivo exploratório.

Participaram do estudo 37 praticantes de dança de salão de uma academia de dança de Florianópolis, escolhida de forma intencional, cujo critério foi o maior número de alunos de ambos os sexos e de diferentes faixas etárias matriculados e freqüentando regularmente as aulas.

Para identificar qual os motivos que levam os praticantes de dança de salão a esta prática, foi utilizado como instrumento de pesquisa um questionário estruturado auto-aplicável, adaptado (1), contendo vinte perguntas abertas e fechadas. O questionário aborda questões sobre o gênero, faixa etária, escolaridade, profissão, pratica, motivos e interesses relacionados à dança de salão. O mesmo foi validado por professores doutores e mestres do Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos da Universidade do Estado de Santa Catarina. O questionário assim como o estudo foram aprovados no Comitê de Ética em Pesquisa, que segue as Normas e Diretrizes Regulamentadoras da Pesquisa Envolvendo Seres Humanos – Resolução 196/96.

Os dados foram analisados através da categorização das variáveis para análise quantitativa e discussão dos posicionamentos dos pesquisados. Elaboraram-se gráficos objetivando observar a tendência central nas respostas dos diferentes pesquisados. As interpretações destes gráficos visaram responder os objetivos da pesquisa.


Resultados e discussão

Neste tópico serão apresentados e discutidos os resultados obtidos com a pesquisa e, para facilitar a compreensão do estudo decidiu-se organizar em dois momentos: (a) Praticantes de dança de salão e (b) Motivos da prática de dança de salão.


1. Praticantes de dança de salão

Com intuito de verificar as características pessoais dos praticantes de dança de salão, primeiramente verificou-se o sexo dos praticantes de dança de salão, cujos resultados encontram-se na figura 1, a seguir.

Analisando a figura 1, constatou-se os valores relacionados ao sexo dos pesquisados, sendo 43% do sexo masculino e 57% do sexo feminino. Percebe-se uma certa equivalência numérica entre homens e mulheres, essa equivalência já era esperada, sendo a Dança de Salão uma dança a dois, mesmo assim, há uma pequena preponderância do sexo feminino, o que pode talvez demonstrar que ainda existe um preconceito a respeito da dança pelo sexo masculino. Esse preconceito pode ser decorrente da educação que rege a sociedade “dança é coisa de menina e futebol é coisa de menino”.

Observa-se que muitas vezes as academias de Dança de Salão são obrigadas a dar bolsas de estudo aos homens para que estes façam as aulas no intuito de manter as mulheres freqüentando a academia, pois as mesmas não se sentem bem fazendo as aulas que na sua maioria são ministradas com ritmos que necessitam de pares (homens e mulheres) e acabam fazendo o par por falta de opção mulher com mulher, o que muitas vezes acaba dificultando o aprendizado.

Em continuidade, averiguou-se a faixa etária dos praticantes de dança de salão, cujos resultados estão explicitados na figura 2.

Na figura 2 temos a demonstração da faixa etária das pessoas que compõem a amostra. Na faixa etária compreendida entre 15 a 20 anos estão, 38% dos pesquisados, na faixa etária de 21 a 30 estão 30%, na faixa entre 41 e 50 estão 16% dos pesquisados, de 51 a 60, estão 8% dos pesquisados, de 0 e 15 anos estão, 3% dos pesquisados, entre 31 e 40, estão 5% dos pesquisados, e nesta amostra não existia ninguém com mais de 60 anos.

A partir desta figura, pode-se perceber que a Dança de Salão hoje é procurada por pessoas de variadas faixas etárias, desconcentrando a terceira idade, e firmando a procura na faixa etária dos 15 aos 30 anos, mostrando que a Dança de Salão não é mais exclusivamente da terceira idade como era até alguns anos atrás. Isso vem mostrar que a Dança está se firmando como uma forma de atividade física, não é mais apenas interesse dos mais velhos em freqüentar um ambiente em que possam fazer amigos ou aprender um tipo específico de ritmo. Observa-se que os mais jovens freqüentam as academias pelo prazer que essa atividade proporciona e até mesmo pelo condicionamento físico que as aulas com seus ritmos variados (bolero, swing, rock, samba, salsa…) e seu charme cativa cada vez mais adeptos.

Prosseguindo, investigou-se a escolaridade dos praticantes de dança de salão, contida na figura 3, a seguir.

Na figura 3, percebe-se que uma maior parte da amostra está cursando a universidade (30%) ou já cursou (16%), sendo que 24% têm o segundo grau completo, 16% ainda estão cursando o segundo grau e 5% já têm o primeiro grau completo, e nenhum pesquisado tinha o primeiro grau incompleto.

Analisando as figuras 2 e 3 percebe-se que o grau de escolaridade está de acordo com a faixa etária que procura a Dança de Salão. Nota-se que a Dança de Salão aos poucos vai se firmando com está clientela e vai entrando nas Universidades e Escolas como uma disciplina da Educação Física, e que pelo prazer que proporciona aos seus adeptos leva estes as academias de Dança de Salão, para um aprofundamento nos mais variados ritmos da dança.

Em seguida, verificou-se a atividade profissional exercida pelos os praticantes de dança de salão, cujos os resultados estão apresentados na figura 4.

De acordo com figura 4, constatou-se que 67% dos praticantes de Dança de Salão desta academia têm ocupação profissional, 30% não trabalham e 3% são aposentados. Sendo que dos que trabalham, 38% já cursaram a universidade, 43% estão cursando a universidade e 19% possuem o segundo grau completo. Entre os que não trabalham, 57% possuem o primeiro grau incompleto, 29% possuem o segundo grau completo e 14% possuem o primeiro grau completo.

Em continuidade a análise, averiguou-se o tempo de prática de dança de salão, cujos resultados estão contidos na figura 5.

Analisando o tempo de prática em dança de salão, observa-se na figura 5 que 27% da amostra está praticando a Dança de Salão por um período entre 2 e 5 meses, em primeiro lugar estão aqueles que praticam a mais de dois anos com 30% da amostra, seguidos daqueles com seis meses a um ano de prática, com 24%.

Na dança de salão nota-se um grande rodízio de entrada e saída de alunos, pois eles, depois de alguns meses de aulas, acham que não tem mais nada a aprender e resolvem sair. Mais tarde quando querem aprender algum ritmo novo que está na moda retornam à academia. É muito interessante observar que a prática da dança de salão em alguns momentos tem muito haver com a moda que é ditada pela sociedade, é o caso de uma novela mostrar a salsa e o merengue, o forró e assim por diante, chamando mais participantes para este tipo de prática.


2. Motivos da prática de dança de salão

Com a finalidade investigar os motivos que levam os praticantes de dança de salão a esta prática, averiguou-se primeiramente como foi o primeiro contato com a dança de salão, cujos resultados seguem na figura 6, a seguir.

Analisando a figura 6, verificou-se que a maioria dos pesquisados entrou em contato com a dança de salão de outras maneiras (38%) que não foram apresentadas no instrumento de pesquisa, como a indicação de amigos e parentes. Em contrapartida 35% os pesquisados responderam que seu primeiro contato foi na própria academia, 21% responderam que assistiram uma apresentação, 3% responderam que foram a um baile e um pesquisado deixou a resposta em branco.

Continuando a análise, abordou-se o principal motivo pelo tipo de prática que levou as pessoas a praticarem a dança de salão, cujos resultados estão contidos na figura 7, a seguir.

De acordo com a figura 7, o principal motivo que levou as pessoas a procurarem a Dança de Salão foi o convite de amigos ou parentes, com 51% da amostra, outros motivos que não constam no instrumento de pesquisa chegaram a 30%, sendo que dos pesquisados que responderam essa alternativa 63% disse que começou a praticar a Dança de Salão pelo prazer de dançar. Com 5% ficou a opção estética e condicionamento físico ficou com11% e 3% da amostra começou a praticar por indicação médica.

Prosseguindo análise, constatou-se o principal objetivo proporcionado pela dança de salão, contidos na figura 8.

Analisando a figura 8, verificou-se do total da amostra, 65% afirmaram sentir prazer com a prática da Dança de Salão, 30% afirmaram sentir bem estar, 3% sentiram-se relaxados.

Confrontando estes resultados com a literatura, notou-se que a dança é uma forma de expressão corporal e é fundamental para o ser humano, fazendo com que aperfeiçoemos a nossa coordenação motora, trazendo ao quotidiano uma grande paz de espírito e quando efetuada em grupo proporciona a convivência social saudável (2). Dançar causa uma sensação de alívio, de bem estar, de alegria, no entanto é complexo conseguirmos através de palavras explicar como a expressão corporal nos pode trazer tantos benefícios (14, 4, 8). A Dança de Salão (3) é uma excelente opção de lazer, onde ocorre uma melhora na auto-estima. Outro fator relevante é que a Dança de Salão pode ser praticada com objetivos claros de socialização e diversão por casais, propiciando o estreitamento de relações sociais de romance e amizade, dentre outras (5).

Em seguida, procurou-se saber a eficiência da atividade no alcance dos objetivos, cujos resultados estão contidos na figura 9, a seguir.

Na figura 9, percebeu-se que 86% afirmaram alcançar totalmente seus objetivos através da Dança de Salão, já 11% afirmaram que seus objetivos serão alcançados parcialmente com a atividade, e apenas um pesquisado respondeu que a Dança de Salão não o levará a alcançar seus objetivos. A fim de enriquecer a análise, verificou-se a sensação de mudança a partir da prática de dança de salão, cujos resultados estão explicitados na figura 10.

Analisando a figura 10, constatou-se que os dados pesquisados quanto à mudança sentida pelos praticantes com a atividade. A principal mudança sentida foi a melhoria do relacionamento inter-pessoal, com 40% dos pesquisados, em seguida a ampliação do grupo social, com 22% das respostas, em terceiro 11% afirmaram sentir uma melhoria da saúde, em quarto 5% afirmaram sentir uma melhoria no condicionamento físico e estética, já 11% disseram ter outras sensações de mudanças.

Em seguida, averiguou-se o motivo pelo o local de prática, cujos resultados estão contidos na figura 11, a seguir.

Os dados apresentados na figura 11 demonstraram que os motivos pelos quais as pessoas que praticam Dança de Salão optaram pelo estabelecimento onde fazem aula são: 51% pelos professores, 11% por morar perto, 8% pela melhoria físico-emocional, outros 5% pelas vantagens oferecidas pela academia, 5% pelos preços da mensalidade, nenhum pesquisado optou pelas condições materiais, e 19% apontaram outros motivos que não foram incluídos no instrumento de pesquisa, como por exemplo: ter iniciado com um professor na qual se identificou e então permanecer; por ser a academia mais conhecida; por indicação médica e pelo dono ser um dos precursores da Dança de Salão em Florianópolis.

Na figura 12, constatou-se que 57% dos pesquisados avaliaram que o estabelecimento tem uma excelente grade de horários, 40% disseram que os horários são bons.

Prosseguindo, verificou-se o conceito dos professores do estabelecimento na percepção do praticante. Os resultados seguem apresentados na figura 13.

Analisando a figura 13, verificou-se que 84% dos pesquisados disseram que o estabelecimento é excelente na questão qualidade dos professores, 13% disseram ser boa a qualidade dos professores e 3% disseram que o estabelecimento é regular em relação aos professores.

Por fim, buscou-se saber o conceito das instalações do estabelecimento, a ótica dos praticantes, cujos resultados estão contidos na figura 14, a seguir.

De acordo com a figura 14, constatou-se que 65% dos pesquisados afirmaram que o estabelecimento possui boas instalações, 19% afirmaram que as instalações são excelentes e 16% que as instalações são regulares.


Conclusões

Diante das limitações deste estudo, foi possível concluir que os praticantes de dança de salão são em sua maioria mulheres, na faixa etária entre os 15 e 30 anos de idade, com terceiro grau incompleto, com ocupação profissional e que praticam pelo período compreendido entre 2 a 5 meses.

Grande parte dos praticantes começou a praticar a por convite de amigos ou parentes, sendo uma forma prazerosa de alcançarem seus objetivos. Nota-se, que dentre os praticantes, grande parte acredita alcançar seus objetivos pessoais estabelecidos, sendo que a mudança mais significativa a partir dela foi a melhoria do relacionamento interpessoal.

Quanto às opiniões dos praticantes de dança de salão em relação ao estabelecimento que freqüentam e os motivos que os levam a procurar esse estabelecimento especificamente são as mais positivas, e demonstrara que a maioria procurou o estabelecimento em questão pela qualidade dos professores, e o acham excelente em relação à sua grade de horários, aos professores e ainda, consideram bom o estabelecimento em relação às instalações.

Por fim, percebe-se que os praticantes de dança de salão são indivíduos que procuram uma forma prazerosa de melhorar seu relacionamento inter-pessoal e de fazer novas amizades, motivo este que persiste desde o Renascimento, onde as danças começaram a ter um caráter social.


Referências bibliográficas

  • BORGES, A. Z. (1999). Hidroginástica: Motivos que levam as pessoas a procurarem esta atividade. Monografia. Florianópolis. CEFID/UDESC.
  • CLINIC HEALTH (2003). Dance for health of it! http//www.google.com/search?q-chache. 4BEZA1p…/dnc4hlth.htm dance and health m-p. Acesso em 2 de março de 2003.
  • DANÇA, simplicidade de movimentos (2002) – In: História da Dança – Disponível em: http://gape.ist.utl.pt/ment01/danca/historia_da_danca.html. Autor desconhecido – Acesso em: 27/06/2002.
  • FAHLBUSCH, H.(1990). Dança moderna-contemporãnea. Rio de Janeiro: Sprint.
  • FELIPPE, M.I (2001).” Corpus et mens sana” para criar. Revista Vencer. São Paulo, v.2, n. 19, p. 14-17.
  • FLORES, Maria. F. (2003). A Dança e seus Benefícios. Disponível em: http://www.dancadesalao.com/agenda/index.cgi?x=lauraflores02.htm . Acesso em: 20/01/2003.
  • FREITAS, R. & BARBOSA, C. (1998). Danças de Salão: a vida em Movimento. Franca: Fundação Mário de Andrade, p. 3-12.
  • GARAUDY, R. (1980). Dançar a vida. São Paulo. Nova Fronteira.
  • NANNI, D. (1998). Dança educação – princípios, métodos e técnicas. Rio de janeiro. Sprint.
  • PERNA, Marco Antônio (2002). Samba de Gafieira, a História da Dança de Salão Brasileira. Rio de Janeiro.

2 Responses to Dança de Salão: Motivos dos que procuram esta atividade

  1. Valtair Vasconcelos says:

    Ótimo material de pesquisa…

    Parabénsssssss

    Precisamos de muito mais material deste tipo para incrementar nossas pesquisas.

    Um abraço

    Valtair Vasconcelos
    Escola de Danças de Salão
    Santa Maria RS

    • Obrigado pelo comentário, Valtair!. Pesquisas na área da dança de salão permitirão um conhecimento cada vez mais profundo sobre benefícios, motivações, expectativas, resultados concretos, para melhorar a capacitação dos profissionais da dança e orientar futuros trabalhos. É muito importante a divulgação destes trabalhos. Continue participando sempre com seus comentários!. Carlos Peruzzo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>